quinta-feira, julho 20, 2017

PROFESSORES DE BREJO DOS SANTOS/PB TEM OS PIORES SALÁRIOS DO PAÍS 


Os professores paraibanos da rede pública de ensino têm a pior remuneração bruta do País, segundo levantamento divulgado esta semana pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os profissionais recebem, em média, R$ 1.855,15 para uma jornada de trabalho de 34,6 horas semanais. O valor sobe para R$ 2.142,67 quando a carga horária é padronizada em 40 horas.


Considerado apenas a rede estadual, a Paraíba continua mantendo seu posto, pagando R$ 1.560,68 para carga horária média de 30 horas e R$ 2.079,52 para 40 horas, só ganhando do Mato Grosso, que paga R$ 83,08 a menos a seus docentes, com esta carga de trabalho.

E para quem pensa que a situação melhora quando os professores optam pela rede privada, o estudo mostra que não. Nacionalmente, os mestres das escolas particulares têm a menor remuneração bruta percebida nos contratos: R$ 1.101,25 ( 26 horas) e fica com a quarta pior remuneração para 40 horas: R$ 1.651.91.

Nos municípios

O estudo traz dados de 213 municípios do Estado. Dona Inês é o que tem a melhor remuneração bruta de professores: R$ 2.893,48. Em seguida, aparecem Cajazeiras, Santa Rita, Bom Jesus e Areia. João Pessoa fica na 17a posição. Nesses municípios, os docentes também trabalham mais, porque a carga horária padronizada é de 40 horas semanais.

Considerado os contratos praticados nos municípios e a carga horária média semanal dos docentes, a situação muda de figura e a variação é impressionante. Um professor no município de Itaporanga – que aparece na 66a posição em remuneração bruta – recebe R$ 7.471,60 se trabalhar 40 horas, enquanto em Brejo dos Santos o valor pago a um docente que faz essa carga horária é de R$ 739,41.

Nivelando em 40 horas, a Capital do Estado aparece com o 49o melhor salário do Estado e Campina Grande fica com a quinta melhor remuneração: R$ 3.307,59.